Os Voos da Xoana

4 dias em Bangkok – o que fazer?

TAILÂNDIA PARTE 1

Bangkok, capital da Tailândia, é a cidade mais populosa do País e a décima mais populosa da Ásia. Tem um trânsito caótico, muitas atrações para ver e experiências para viver. É uma 25 de março ou, se preferir, um AliExpress a céu aberto, com camelôs para todos os lados, e cheira comida (são milhares de barraquinhas de Pad Thai e outras comidas típicas espalhadas pelas ruas). Dizem que são higiênicas, mas a aparência é bem ruim! É uma cidade com atrações e diversões para todos os gostos, com uma noite bem animada.

Não aparenta ser violenta e há poucos mendigos pelas ruas (vi uns 2, apesar da grande pobreza). Possui mais de 400 templos budistas e a fé desse povo é muito forte, chega a ser bonito de ver! O rei Bhumibol Adulyadej, que morreu em outubro de 2016, após ter ficado 70 anos no poder (isso mesmo, setenta anos), era muito venerado pela população, tendo um status de semideus: cartazes e fotos da família real são encontrados por onde o seu olhar estiver.

Se você está planejando uma viagem para Bangkok, confira as nossas dicas para 4 dias:

  • Wat Pho e o Buda reclinado: começamos o passeio pelos templos budistas. Esse é o mais antigo de Bangkok e abriga o famoso Buda Reclinado, com 15 metros de altura e 43 metros de comprimento – maior que o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Ele é todo coberto com folhas de ouro, impressionante.

Curiosidade: O Buda não está deitado por preguiça. A imagem nessa posição simboliza o momento de iluminação, antes de sua morte, quando ele tinha 80 anos.

O Wat Pho funciona das 8h às 17h e a entrada custa 100 Baths (para converter o valor para o real, divide por 10). Fomos bem cedo e não pegamos fila para entrar. Depois, aproveite para conhecer a Grand Palace (mas atenção ao golpe que os motoristas de tuk tuk aplicam nos turistas! Nós caímos, mesmo tendo pesquisado bastante sobre a cidade antes da viagem e ter lido sobre o assunto :/ Mas na hora você está tão atordoado, que acaba caindo na lábia – vou escrever um post sobre o assunto).

Além do Buda reclinado, há muita beleza para ver no complexo de Wat Pho. Reserve umas 2 horinhas para desbravar os encantos desse lugar.

DICA 1: atenção às vestimentas. Para entrar nos templos, é preciso estar com os ombros, parte dos braços e joelho cobertos. Barriga de fora? Nem pensar! Os homens podem ir de bermuda e camiseta. Já para as mulheres, a sugestão é levar uma saia ou vestido longo na bolsa e colocar por cima do shorts logo na entrada, já que o calor é de tirar todas as gotas de suor do corpo – e os templos não possuem ventilação ou ar condicionado. Uma dica preciosa para as meninas é sempre levar uma canga na bolsa! Quando precisar esconder alguma parte do corpo, é só se enrolar nela.

Tome muita água para não desidratar (eles dão uma garrafinha na entrada, mas leve outra na bolsa também).

IMPORTANTE: tome apenas água mineral! Em outro post vou contar sobre a infecção bizarra que tive após tomar um suco de melancia em um restaurante super recomendado pelo Trip Advisor em Phi Phi, com direito a 2 dias de internacao no hospital do Camboja!

DICA2: praticidade nos calçados. Em todos os templos que entrar para ver os Budas, é preciso tirar o sapato! Portanto, vá de chinelo, fica mais fácil de tirar e colocar o calçado toda hora.

  • O Grand Palace (Grande Palácio Imperial) é um dos principais templos de Bangkok e fica dentro da cidadela murada. Atualmente, costuma ser utilizado para coroações e funerais da família real, e somente dois salões do trono estão abertos ao público durante os dias úteis. No mesmo lugar, fica o Wat Phra Kaeo, onde está o famoso Buda de Esmeralda. Infelizmente nós não conhecemos, pois como disse acima, caímos no famoso golpe dos tuk tuks ;(

DICA3: Dizem que neste templo, os homens precisam estar de calça – não é permitido bermuda. Se preferir, eles emprestam a vestimenta limpinha – você deixa um valor como depósito, mas retira quando devolve a roupa, na saída. Sai de graça.

  • Pegue um barco e vá conhecer o Wat Arun – Templo do Amanhecer, localizado na margem do rio Chao Phraya. No Tien Pier sai um barco que faz a travessia até um píer ao lado do templo. Ele estava em reforma quando fomos (abril 2016). Como estava MUITO calor e estávamos cansados, aproveitamos para ir almoçar no restaurante Harmonique (não é perto, pegamos um taxi).
  • Ayutthaya: reserve um dia inteiro para conhecer essa cidade histórica, fundada em 1350, antiga capital da Tailândia. Ela está localizada a 80 quilômetros de Bangkok (dá para fazer um bate e volta) e é um verdadeiro museu a céu aberto. Foi invadida pelo exército birmanês, em 1767, que deixou tudo em ruínas. Inclusive, muitas cabeças de Budas foram decapitadas como demonstração de poder pelo exército da Birmânia. Hoje, a cidade é reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

É em Ayutthaya, no Wat Mahathat, que fica a famosa cabeça do Buda, abraçada pelo galhos de árvores. Clique aqui e confira o post completo sobre a cidade.

IMG_2153.JPG

  • Mercado flutuante / Damnoen Saduak Floating Market: reserve um dia inteiro para fazer esse passeio. Esse é um dos maiores mercados flutuantes da Tailândia e fica a 80 quilômetros de Bangkok (1h30 de taxi). Como estávamos em 6 pessoas, preferimos fechar um taxi ao invés de ir de van ou ônibus. Total de 2.000 Baths ida + volta = 334 Baths por pessoa = R$ 33,00. O passeio durou umas 3h30 mais 3h de taxi entre ida e volta.

O mercado abre às 9h, então saímos por volta de 8h de Bangkok para chegarmos antes do calor estar no pico (e mesmo assim, chega a molhar a roupa). Pegamos um barquinho só para o nosso grupo, por 1.000 Baths cada (R$ 100,00), o passeio mais caro feito na Tailândia. Vale a pena, o lugar é muito interessante e diferente de tudo que estamos acostumados a ver.

No passado, os canais serviam para o comércio de suprimentos provenientes da agricultura. Hoje, é um mercado turístico de frutas, comidas, especiarias, animais exóticos e souvenirs na beira do rio. É enorme, um labirinto, cheio de barcos passando, chegando a formar um trânsito de barquinhos. Vale ressaltar que é preciso barganhar muito!!!!! O valor inicial que eles vão oferecer sempre será mais alto. Depois de uma conversa, sempre chegavamos a pagar praticamente a METADE por qualquer produto! É de enlouquecer, mulherada!

DICA4: leve bastante dinheiro porque dá vontade de comprar tuuuudo! Tem mais coisas que na Kao Sao Road, por exemplo, e famosa rua da cidade, com camelôs, bares e baladas.

Pessoas felizes, simpáticas e sorridentes por todo lado. Uma pena que o lugar é mal cuidado, muito lixo nas margens do rio, que parece poluído e sujo – mas vimos locais nadando nele. Inclusive, vimos até um lagarto gigante na beira do rio!

No fim do passeio, eles te levam para conhecer o templo da “cidade”.

  • Muita gente sai do Mercado Flutuante e faz o Templo dos Tigres. Nós não fizemos, pois não gostamos muito desse tipo de turismo. Aparentemente os animais estão dopados, morro de dó!

NOITE em Bangkok

  • Kao Sao Road: é a famosa rua de Bangkok, onde foi gravado o filme “Se beber não case”. Muitos bares, restaurantes e galera em busca de diversão. É onde ficam as barraquinhas com os insetos peçonhentos à venda! E você, toparia comer um escorpião, uma barata, grilo, aranha, cobra, formiga ou minhoca???? Euzinha aqui não comeria nem na Tailândia nem em lugar nenhum desse mundo, mesmo sendo pura proteína rsrsrs Fiquei fotografando, filmando e “me divertindo” com os doidos que colocavam um temperinho no bichinho e botavam o famoso “petisco” pra dentro! A cara que faziam renderam boas risadas!

DICA5: se você não comprar o inseto, só pode tirar foto ou filmar se pagar 10 Baths.

  • Massagens: em praticamente todas as ruas você encontra lugares para fazer as famosas e deliciosas massagens (confesso que a Thai massage dói muito, preferi fazer a “foot massage” todos os dias), ou até mesmo a “fish massage”, em que os peixinhos comem os restos de pele morte do seu pé. Eeeeca, essa não fiz não!
  •  Ping pong show – o famoso show de pompoarismo: claro que não íamos perder essa super atração da cidade! Apesar de estarmos receosos com o que encontraríamos, fomos conferir, mas fique atento e tente ir em uma casa “confiável”, muitos são golpistas e utilizam da técnica “caça turista”! Pegamos um taxi que nos deixou na porta de um dos Ping Pong Shows. Um lugar mais afastado, meio macabro – na teoria, esses shows são proibidos na cidade, por isso os lugares são afastados e estranhos. Na entrada, o valor era alto, tentamos pechinchar, mas o máximo que conseguimos foi pouco desconto e um copo de cerveja “grátis”! Atenção ao consumir lá dentro: tudo é bem caro, chequem o valor antes de pedir!

Entramos… é como uma casa das “mulheres” mesmo: escuro, com um palco redondo no meio, cadeiras em volta (sentamos mais pro fundo), aquele globo de luz girando, cheiro de cigarro e lá vem elas… cada hora entra uma com um epísódio diferente: apagam as velas de um bolo de aniversário; estouram bexigas com dardos; tiram de dentro fitas coloridas de muuuitos metros (e jogam para algum homem da plateia puxar); fumam; escrevem “Welcome to Bangkok” (sem as mãos e sem os pés, entenderam?); soltam uma bolinha para fazer cesta; enchem uma garrafa de coca cola; descascam bananas etc etc etc!

Tirar fotos? PROIBIDÍSSIMO! Elas ficam MUITO bravas, xingam e ainda confiscam o celular! Portanto, nem ouse! Parece que há olhos até debaixo das cadeiras rs. É bizarro, em certo grau chocante, mas já que está lá, vá conferir! Vai ser uma das coisas mais bizarras que você vivenciará rs

Onde se hospedar?

Como estávamos em 7 pessoas, alugamos um apartamento muito bom pelo Airbnb, com uma vista bonita da cidade (parece um rooftop). Caso tenham interesse, ele fica localizado na Rua Petchburi 32o, edifício Manhattan Chidlom. A anfitriã é a Vina.

IMG_9751.JPG

O que devo fazer antes de viajar para a Tailândia? 

  1. Brasileiros não precisam de visto para entrar no País; Porém…
  2. É preciso tomar a vacina de febre amarela e levar a certificação internacional. Ela é emitida pela Anvisa em diversos postos de saúde no Brasil. No aeroporto de Bangkok, antes de chegar na imigração, pare no posto de controle sanitário – siga as placas “Health control”- para apresentar o certificado. Você terá que preencher um formulário e entregar ao fiscal. Caso vá diretamente para a imigração, terá que voltar tudo e fazer esse procedimento.
  3. Analise a época do ano que está planejando a viagem. A época indicada para visitação é de novembro a fevereiro, em que a temperatura média é de 26°C; de março a abril, o período é mais quente, chegando aos 40°C (simmmm, fomos em abril e derretemos). No restante do ano, ocorrem as monções/ época chuvosa, evite!

DICA válida para todos os passeios: ATENÇÃO COM OS TAXISTAS!!!! Clique aqui e leia o post completo.

Confesso que, no geral, não amei Bangkok!  É um lugar bacana de se conhecer, certamente, até porque ir até lá e não conhecer os templos, a loucura da cidade, parece que a viagem não fica completa! E precisamos conhecer de perto para tirar nossas próprias conclusões. Mas se um dia eu tiver a oportunidade de voltar, irei diretamente para as paradisíacas praias!

Para finalizar, adoraríamos saber a sua opinião sobre esse post. Tem alguma dica para acrescentar? Deixe um comentário pra gente.

LEIA TAMBÉM

O nosso casamento na Tailândia, na praia de Koh Phi Phi

Taxistas em Bangkok

Railay Beach, em Krabi: roteiro de 3 dias

Koh Phi Phi e suas paradisíacas ilhas

 

Bate e volta em Ayutthaya – roteiro de 1 dia

 

 

 

35 comentários sobre “4 dias em Bangkok – o que fazer?

  1. Pingback: Atenção com os taxistas em Bangkok – Os Voos da Xoana

  2. Pingback: Bate e volta em Ayutthaya – roteiro de 1 dia – Os Voos da Xoana

  3. Caroline Rivera

    Sou doida para conhecer! Só tenho bastante medo da comida.

    NOosa, esse Buda é maior que o Cristo? Que imenso.
    Quero ler sobre o golpe no outro post. Que coisa hein. To curiosa.

    Amei todas as fotos, parece incrível.
    Não sei se eu ia ter coragem pra ver o Ping pong show hhehehe, ainda mais nesse lugar meio macabro.

    E tomar a vacina da febre amarela acho que é até bom, do jeito que vai aqui no Brasil…

    Amei o post! Parabéns. Vou passar para uns amigos meus que vão pra lá.

    Beijokas!

    1. osvoosdaxoana

      Carolzinha, vou escrever outro post sobre o que passei la, mas nao com a comida, e sim com a agua (gelo do suco que tomei). Gracas a deus foi no ultimo dia de Phi Phi, um dia depois do casamento, a caminho do Camboja… e la, fiquei internada, tomei mais de 10l de soro por um infeccao bizaaaarra! Mas a comida eh bem tranquila, o problema eh a agua!!! ;/

    1. osvoosdaxoana

      A comida eh muuuito boa e super adaptável ao nosso paladar! Vc vai comer mto pad thai – macarrão de arroz – com frutos do mar, carne ou frango! Ou o arroz frito! Deliiiiciioooosos! E como eu nao como pimenta, implorava p nao colocarem nada! Na maioria dos lugares funcionou!!!!

  4. Alice

    Adorei ir em Bangkok ! Fiquei la 6 dias sozinha com minha filhinha de 9 meses, esperando meu marido.
    Era quente demais e super úmido , lotado e as vezes esquisito mas foi bom demais. Andamos la quilómetros conhecendo dezenas de templos em pleno sol. Uma loucura essa cidade 🙂
    Nao provou os bichos ? Provei o escorpião, cobra, barata e a aranha. Ho-rri-vel ! A parte da aranha que comi ficou bloqueada horas na minha garganta. Um horror ! 🙂

    Seu post rme lembrou esses momentos mágicos que passamos por la e me deu uma saudade imensa do país
    Um dia voltaremos 🙂

  5. Fabiana Diniz

    A cultura asiática é tão diferente da nossa. Tenho muita vontade de conhecer a Tailândia e poder ter essas sensações que vocês tiveram. Estou me planejando e esses posts vão me ajudar muito! Parabéns pelos detalhes dos relatos sobre Bangkok. Aguardando os outros posts.

  6. Euclides

    A viagem deve ter sido show. Como assim não teve coragem de comer um bichinho que é pura proteína? kkk. Também não teríamos.
    Vocês ficaram 4 dias lá, quantos dias recomendam para que aproveitemos ao máximo.

  7. Anderson Oliveira

    Olá Julia, nossa quantas dicais legais. A Tailândia é incrível e esta na nossa lista de lugares para conhecer. E advinha de onde vou pegar muitas dicas. Obrigado pela ajuda, já estamos nos planejando para conhecer esse pedaço do mundo. E se a gente tiver duvidas vamos te gritar…. Um Beijo Anderson e Karin. @viajandodebarraca

  8. Pingback: Deu ruim na Tailândia – infecção e internação do outro lado do mundo – Os Voos da Xoana

  9. AMilnaestrada

    aiaiaiai, que dorzinha no meu coração ao ler esse post e vr essas fotografias. voltei da Thai deve ter uns 2 meses e a vontade de voltar ou ter ficado lá não cabe em mim, rs. Todas as dicas devidamente anotadas! Obrigada por compartilhar, excelentes fotografias.

  10. Mariliza

    Juliaaa adoreii esse post, sempre tive curiosidade da culinária hahaha… coragemm !! haha… acho que não comeria nada. Os tempos sem comentários, fantástico. ótimas dicas bjss

  11. Livia Melo

    Julia, ótimas dicas de BKK! Também não tive coragem de comer os bichos, hahaha. Pena que você não gostou da cidade, realmente ou você ama ou odeia. Eu amei! Apesar da loucura e do cheiro podre (comida tailandesa é muito podre, e como tem barraca em toda esquina, acaba impregnando o ar, haha), achei uma cidade viva, dinâmica, com uma mistura de história, cultura e modernidade. Acrescentaria como dicas um pôr do sol no The Deck, pertinho do Wat Pho, um passeio no Asiatique, um mercado-shopping a ceú aberto com uma roda gigante enooorme (o céu fica divino no pôr do sol) e um jantar no Vertigo and Moon Bar, o meu rooftop predileto de lá (fui no Skybar do Sirocco, mas por diversas razões, se tiver de escolher, vá no Vertigo!). Ah, e eu visitei outro mercado flutuante tbm, o taling Chan. Ele é menos turístico e achei bem bacana. Beijos!!

    1. osvoosdaxoana

      Oiii. Eu gostei da cidade mas nao amei, sabe? Rs obrigada por add as dicas, top! Iamos em algum roof top mas chegavamos tao tao tao cansados no ap que nao conseguimos 🙁 ainda bem que o apartamento q ficamos era praticamente um rooftop, bem alto e com uma vista linda! Beijao

  12. Pingback: Railay Beach, em Krabi: roteiro de 3 dias – Os Voos da Xoana

  13. Daniela Milagres

    Adorei o post. Bangkok é uma cidade muito controversa mesmo né! Nós também não comemos as barracas de rua. Intoxicação era a minha maior preocupação, até pq eu viajei gravida e a Sophia estava com 1a6m. Então só comemos em restaurantes com boas notas no tripadvisor e ainda assim dei uma censurada nas comidas ( e olha que geralmente me arrisco bastante). O suco de melancia maledeto era com gelo? Pq dizem para evitar os gelos também né? Tomamos bastante sucos por lá e não tivemos problemas com eles. Meu marido passou mal em Railay Bay…rs…Acho que foi um pad thai com frango ou a maionese (veneno!!!) que acompanhou a batata frita.

    Ah, adorei o relato sobre o pompoarismo. Deve ser super interessante. Mulheres poderosaaaaas, descascando a banana sem usar as mãos…hahahahha. Adorei!!!!!!!!!

    Beijos!

    1. osvoosdaxoana

      Dani, imagino que pra vc comer estando gravida teve q tomar o triplo de cuidado. To escrevendo um post contando sobre o meu perrengue la com o gelo do suco, que me rendeu 2 dias de internação! Punck! Mas gracas a deus foi no fim da trip e dps do casorio! Ufaaa! Do resto tudo ok rs

  14. Makenna

    Ah, Xoana, eu não sei se depois de ler o seu relato se vou gostar de Bangkok.
    Acho que não comeria quase nada e meu marido que é muito chato, não comeria absolutamente nada mesmo.
    O post está muito bem elaborado, parabéns!

    Abraços.

  15. Débora

    Confesso que Bangkok não é um lugar que eu tenho vontade de ir, mas quero conhecer as praias da Tailândia. Após ver muitas pessoas indo para lá, me deu uma curiosidade de saber mais e adorei o seu post e suas dicas!

  16. Dhebora

    Gente, que doideira esse Ping Pong show! Hahaha fiquei imaginando as cenas com a descrição do post! Doideira total!
    E também não sei se tereia coragem de comer os bichinhos não rs
    Adorei o post!

  17. Pingback: Deu ruim na Tailândia – infecção e internação do outro lado do mundo – Os Voos da Xoana

  18. Pingback: O nosso casamento em Phi Phi, Tailândia – Os Voos da Xoana

  19. Pingback: Desafio Wanderlust: 10 perguntas e respostas sobre mim – Os Voos da Xoana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *