Os Voos da Xoana

Mergulhe nesse exemplo de superação

Qual o seu maior medo? Pergunta difícil, não é mesmo? Cada ser humano tem um ou vários medos. Pode ser de um bicho, de uma situação, de uma pessoa, algo hipotético… Seja qual for o seu, tenha certeza que ele pode ser superado!!! E só depende de você!

Hoje vim aqui compartilhar contigo a maior história de superação que vivi até o momento em minha vida e, quem sabe, inspirá-lo de alguma forma a vencer aquele “bicho papão” que habita na sua mente.

Você sabia que 92% dos medos que as pessoas sentem são irreais? Menos de 1 a cada 10 situações é o que pode realmente estar acontecendo.

A minha história com o Mergulho

Você já teve a experiência de mergulhar de cilindro nas profundezas do mar? Se sim, como foi? Provavelmente uma experiência incrível, certo?

O Mergulho é mais que um esporte: é uma atividade de lazer que permite a contemplação da vida submarina. Porém, requer aprendizado e algumas habilidades para o uso dos equipamentos específicos.

Eu tinha muita vontade de Mergulhar de cilindro, porém um forte receio de que acontecesse alguma coisa e eu morresse sem ar. Como existia a vontade de viver essa experiência, conhecer o fundo do mar e ver esse mundo incrível que existe por lá, me desafiei e resolvi dar o primeiro passo: fazer o curso de mergulho, já que nossa ideia era mergulhar na Tailândia. Reconheci que precisaria de um treinamento e ajuda de profissionais especializados para me ensinarem a técnica – e, quem sabe, me tranquilizarem.

Mesmo sem saber se eu teria a coragem de me arriscar nas águas abertas do mar, comprei o curso! Afinal, para atingirmos um grande objetivo, precisamos dividí-lo em pequenas metas.

Quais os meus maiores medos?

  1. Dar algum problema no equipamento ou acabar o ar do cilindro e eu ficar sem respirar – só de pensar nessa sensação me dá pânico. Aff;
  2. Outra sensação esquisita é a de querer respirar pelo nariz e não poder ou querer voltar para onde tem ar – e não querer mais ficar ali rodeado de água por todos os lados;

Bichos ou alguma coisa nesse sentido? Definitivamente não são meus medos. Muito pelo contrário, queria encontrá-los .)

O curso de mergulho

Dominar um novo esporte – assim como qualquer outra atividade – exige estudos, foco, treinamento, força de vontade e determinação. E essas características eu tenho de sobra, graças a Deus.

Pesquisamos bastante e optamos por fazer o curso básico em uma escola com método NAUI, em São Paulo, e certificação internacional para mergulho até 18 metros de profundidade. Ótima estrutura, ótimos profissionais, mas uma aluna receosa (para não dizer medrosa).

O curso é feito em um final de semana, com aulas teóricas, práticas em águas confinadas (piscina aquecida) e práticas em águas abertas – o conhecido batismo. Ambientar-se com os equipamentos e ter uma boa desenvoltura com o respirador é fundamental para ser um bom mergulhador.

Então, bora aprender?

IMG_8193

Aula prática na piscina

Senta que lá vem a história…

A manhã do primeiro dia de curso foi tranquila, afinal, estavámos em uma sala de aula, aprendendo a teoria! Na parte da tarde, caímos na piscina para começar a aula prática.

No final do primeiro dia, ainda na piscina, comecei a sentir uns arrepios estranhos no corpo e percebi que eu não estava me sentindo muito bem, mas pensei que pudesse ser a minha pressão, que estava baixa por ter ficado muito tempo sem comer! Como faltava apenas 1h30 para o fim das atividades, resolvi controlar o mal estar e terminar a aula. Mas quando saí da piscina, fui piorando… Ao sair da escola, pedi para o meu marido parar na primeira padaria que ele encontrasse, assim eu comeria algo e me sentiria melhor. Doce ilusão! Entrei na padaria com o corpo inteiro tremendo, frio, um pouco de enjoo e uma sensação horrorosa de que iria morrer. Não consegui colocar nada na boca. Fomos embora e eu sentindo muito frio. Cheguei em casa, coloquei o termômetro e… 39 graus de febre!!! Muito estranho, minha saúde estava normal até então.

Bom… nesse tempo comecei a sentir muito medo e pensar mil coisas. Sabe aquele típico pensamento do Anjinho x Diabinho? Um falando: “deixa disso, larga mão, fica se arriscando à toa, isso não vai te levar a lugar nenhum. Você está colocando sua segurança em risco, para de ser besta”. E o outro falava: “vai firme, vence esse medo, é um esporte seguro, você está aprendendo as técnicas, vai se sair bem e será incrível conhecer o fundo do mar, aprender uma atividade nova. Força, supere esse medo, isso é coisa da sua cabeça”. Enfim, fiquei HORAS nessa luta interna!

Durante essa luta, resolvi algumas vezes que não ia terminar o curso e nem mergulhar na Tailândia, que isso não era atividade pra mim, que ia contra um dos meus principais valores – a segurança e bla bla bla. Ao mesmo tempo, fiquei utilizando algumas técnicas de Programação Neurolinguística (PNL) que aprendi nos cursos que fiz: positivar o cérebro, dominar a mente e os pensamentos, trocar os pensamentos negativos pelos positivos, entre outras.

Fui dormir e acordei no outro dia decidida que eu ia terminar o curso! Minutos depois, desistia. Sério, fiquei nesse embate comigo mesma até chegar na escola para o segundo dia de aula.

Ao chegar, comentei com o professor o que aconteceu e disse que seria melhor não terminar o curso, pois tinha gripado. Ele concordou e disse que eu poderia voltar outro dia para finalizar (apesar do nosso tempo estar curto até a viagem para a Thai). Mas quando me vi sozinha do lado de fora da piscina e todos os colegas dentro da água, eu pensei na mesma hora: na na ni na não. Você é mais forte que isso. E… TIBUM! Cai na água!

Fui fazendo os exercícios novamente e já me sentia melhor, mais segura. Resultado: terminei o curso! Uhu!!! Primeira etapa concluída com sucesso.

Bora pro batismo na Ilhabela!

Como superei os medos?

Além das técnicas utilizadas de PNL, em que fui controlando a minha mente (sim, temos esse poder), é muito importante fazer todos os exercícios das aulas práticas com calma, ir se acostumando com a respiração pela boca, com os equipamentos, com a sensação de estar o tempo todo embaixo d´água, tirar todas as dúvidas – e tudo isso na piscina. Você vai fazendo aos poucos, várias vezes, vai adquirindo confiança nos equipamentos, aprende a testá-los etc.

Saber que você pode voltar para a superfície a qualquer momento também me dava um certo conforto, apesar de não poder subir de uma vez (há técnicas para isso).

Diagnóstico médico

Na semana seguinte, conversei com um médico sobre tudo o que havia acontecido e o diagnóstico: ataque de pânico. Pela primeira vez na minha vida e, se Deus quiser a última, tive um ataque de pânico! Minha nossa, choquei quando ele me disse isso! Como assim, euzinha aqui com pânico? Nããaaao senhor, não quero isso pra minha vida!

Segundo ele, ter superado esse pânico foi uma das melhores coisas que fiz, pois eu não permiti que meu próprio oponente vencesse! EU VENCI! Caso contrário, toda vez que eu ouvisse falar em mergulho, teria toda aquela sensação de pavor novamente, e a probabilidade de terminar o curso ou fazer um mergulho um dia seria próxima de ZERO.

O batismo

Também conhecido como check-out, o batismo no mar é a primeira experiência real de um mergulhador. É como uma prova: o aluno deve repetir os exercícios aprendidos em aula de forma correta. Se tudo correr bem, ele “passa” e recebe a certificação internacional.

Desde a finalização do curso até a data do batismo passaram-se 15 dias. E nesse tempo fiquei trabalhando a minha mente, afirmando que era um esporte seguro, gostoso, que eu iria curtir muito…

Fizemos o nosso batismo na Ilha das Cabras, em Ilhabela, um santuário marinho preparado para esse tipo de atividade, todo cabeado, com pouca profundidade, ideal para uma primeira experiência.

IMG_8492

Ilha das Cabras, na Ilhabela

O batismo consiste em dois dias: no primeiro você pratica no mar todos os exercícios feitos na piscina, juntamente com o instrutor. Não vai muito longe, desce pouco, mais para se familiarizar com o ambiente. Tudo ok?

IMG_8560

Enquanto um dive master fica embaixo d´água acompanhando os mergulhadores, outro instrutor fica no bote acompanhando as bolhas

No outro dia é a prova de fogo: você e sua dupla vão sozinhos até até um ponto e voltam. “Quando chegar na estátua naufragada do Netuno, pode voltar”, frase do nosso instrutor! Eu só pensava em chegar na estátua, enquanto meu marido queria curtir o visual, tirar fotos hahahaha Quando cheguei, relaxei um pouco! Vi que eu tinha ar suficiente pra voltar.

IMG_7451

E foi assim o nosso batismo: recheado de peixes, cores, segurança, com uma visibilidade boa e um show de bolhas.

IMG_8585

Um paredão de peixes em volta

Hoje sou devidamente certificada internacionalmente como mergulhadora! Um sentimento maravilhoso de vitoria! Pq #EUVENCI! Contra quem? Contra meus pensamentos, contra o oponente, contra aquele “diabinho” que fica te atazanando dizendo que eh “perigoso”, que pode “morrer” 😈x😇 Esse medo nao eh meu! Quem manda em mim sou Eu… E se eu quero, eu posso, eu consigo!

IMG_8453

Para finalizar…

Deixo aqui a frase do livro “Desperte seu Gigante Interior, de Anthony Robbins: “A única certeza que temos na vida é que nascemos para vencer. Ninguém sai da barriga da mãe para fracassar, não importa o que aconteça. Você sempre tem uma chance de fazer diferente, de brilhar, de acreditar, de agir”.

Clique aqui e leia o post que a Academia Arte Dive fez sobre minha história

37 comentários sobre “Mergulhe nesse exemplo de superação

  1. Maria Carolina

    Nossa!!! Surpreendente esta reportagem! Você acredita que fui a Noronha e não mergulhei por medo?! Sério! Mas, já me dei a ordem de mergulhar e vencer o medo no meu retorno a ilha em setembro agora. Depois eu conto como foi!!!!rs

  2. Jaqueline Caixeta

    Lindaaa, meus parabéns pela superação!! Por incrível que pareça, também tinha muito medo de mergulhar!! Em março desse ano fui para Arraial do Cabo no Rio e resolvi encarar esse medo também, e foi uma das experiências mais incríveis da minha vida!! Meu mergulho foi praticamente todo ao lado de uma tartaruga (uma paixão da minha vida), ela ficou o tempo todo nadando ao meu lado! Foi um presente e uma experiência incrível! Amei o post e me identifiquei demais!!

  3. Alice

    Ate achava que eu era sozinha a ter medo de mergulhar e finalmente somos umas 5 so aqui, nessa pagina. Se eu não tenho medo de faltar de ar, tenho medo de cair cara-cara com um tubarão ou outro bicho do mar.
    Quando estávamos na Malásia,gravida de 7 meses, tomei uma picada de arraia no pe e desde não entro mais no mar ou com bastante medo, olhando ao redor se não tem bicho mesmo. Meu medo só se acentuou desde então.. Medo de não conseguir voltar ate o barco e ficar la, dentro do imensidão.
    Um dia conseguirei superar esse medo da vida submarina e me jogar dentro igual faço quando me jogo no ar, pulando de paraquedas.

    Parabéns pela superação Xoana !

  4. Makenna

    Gente, que máximo!
    Era o que eu precisava ler!
    Perdi um primo vítima de afogamento (ele com 19 e eu com 11 anos) e desde então, nunca mais tive coragem de fazer qualquer aventura na água. Já vivi muitas experiências em viagens onde tem água e eu fico no rasinho ou então, só fotografando. Ao ler seu relato, percebi que eu também posso vencer meus medos e meus traumas.

    Beijos!

  5. Mariliza Domingos

    uhuu Parabénss!! que superação hein?? Muito boa matéria e inspiradora, adoreii !!! Eu preciso vencer o medo da água e depois do mergulho haha.. meu psicológico não deixa de jeito nenhum. Depois de ler esse post preciso criar coragem. bjss

  6. fabianaoliv

    Me identifiquei super com sua historia. A medrosa aqui mergulhou em Cancun e subiu correndo. Além da bronca do instrutor, perdi o $$ e não fiz o mergulho. Parabéns pela superação!

  7. liviazac

    Ju, que experiência incrível! Me motivou muitooo,eu já fiz mergulho duas vezes com cilindro e não me sinto confortável, fico em pânico no começo, não é legal sabe… Demoro pra relaxar e começar a curtir o passeio. O último nem consegui descer muito porque meu ouvido doía, eu fazia errado o exercício pra tirar o ar dele (hahahaha!). Morro de receio de fazer o curso e descer sozinha, mas depois do seu relato vou repensar… Quem sabe né?? =D Obrigada por compartilhar com a gente, são histórias assim que mudam nossa vida. Beijoooo

  8. Luisa Galiza

    Ah muito legal seu post e também um pouco nostálgico! Eu tbm mergulhei pela primeira há alguns anos atrás, em Arraial do Cabo, e foi uma experiência maravilhosa! Parabéns pela coragem!

  9. Anna Claudia Rodrigues

    Que post bacana! adorei a sua história de superação e parabéns por ter vencido o seu medo! Eu tenho medo de pular de bungee jump… mas também não sei se eu tenho vontade, enfim, ainda não decidi se quero ou não. Fiz mergulho com cilindro uma vez (sem fazer o curso antes) e minha experiência não foi boa, pois senti muita dor no ouvido, depois tive que ir no médico até… talvez com o curso eu aprenda direitinho e consiga repetir… bjs

  10. Liany Garves

    Que orgulho do seu relato!!! amei o sei post e só posso te dizer parabéns! Eu sou como você e não gosto de me limitar por medo, prefiro fazer as coisas mesmo com medo a não fazê-las e até agora ganhei experiências incríveis com isso e tenho certeza que você também. Relato super estimulador e agora na verdade esto com vontade de entrar num curso de mergulho também 🙂

  11. Lorena Brito

    Ju, me identifico muito com isso tudo, mas ainda não superei.. na verdade, não busquei superar… amooo nadar, mergulhar, mas desde que eu saiba que posso voltar a qualquer segundo para a superfície para respirar… tenho os mesmos medos: \”e se o ar acabar, se, se, se…\” e acabo não indo… amei ver sua superação e saber que posso superar os meus medos tbem!

  12. Diana Figueiredo

    Adorei o post, Julia! Mergulhei na minha última viagem para Maceió com o instrutor mas, por falta de treinamento, fiquei muito nervosa. Não consegui curtir muito o visual. Era um minuto embaixo d´água e outros cinco respirando fora.. até penso em fazer o curso, mas acho que tenho que me preparar psicologicamente antes. beijos

  13. Aninha Lima

    Você arrasou!!! pensar em coisas negativas com certeza atrai coisas negativas e você conseguiu se dominar, isso é maravilhoso… que bom, tudo valeu a pena viu só?? parabéns te admiro mais!! beijos

  14. Marcos Brito

    Que bacana, parabéns por este post inspirador! Essa superação é um exemplo para quem tem algum medo e não consegue vencer. Nunca mergulhei mas tenho vontade, deve ser uma experiência incrível. Obrigado por compartilhar a sua experiência conosco.

  15. Livia Melo

    Poxa Julia, que relato lindo! Me identifiquei muuito! Tenho pânico de mergulho, apesar de ter ficado morta de pena de \”perder\” o mar da Tailândia, não tive coragem! Seu relato foi uka inspiração pra eu tentar também. Beijos!!

  16. Débora Savaget

    Confesso que estava super ansiosa para ler esse post, pois eu tenho muita vontade de mergulhar, mas tenho medo de peixes rs
    Tenho até vergonha de ter esse medo, mas fazer o que? Sempre que me deparo com um peixe tenho um Ataque de Pânico… Estudo Psicologia, sei de todas as técnicas, mas sabe aquele ditado: Casa de Ferreiro, espeto de pau? Então… Mas fiquei muito contente em ler seu post, essas histórias me encorajam!
    Tenho um amigo que é instrutor de mergulho e ele diz que antes de fazer o curso eu tenho que me familiarizar com os peixes… Ok. A cada viagem eu progrido mais um pouco 😉

    1. osvoosdaxoana

      Oi Débora, poxa… que coisa doida, ne? Tenho amigos que tem medo de tudo que voa… pombos, por ex rsrsr mesmo sabendo que não fazem absolutamente NADA, eles os veem como se fossem monstros prestes a atacar!
      Como seu instrutor disse, primeiro você precisa vencer esse trauma para depois se arriscar no fundo do mar! Afinal, o que mais vai encontrar são esses lindos peixinhos coloridos! Força… tenho certeza que vc consegue! Ainda mais sendo psicóloga e utilizando todas as ferramentas que conhece! Comece se ajudando… depois, tenho certeza que ajudará muito mais gente. Beijao

  17. Marlise

    Que bacana a sua história de superação e coragem de enfrentar seus medos. Eu acho que mergulhar eu até conseguiria mas confesso que quando se trata de altura, sou super covarde. Mas, acho que vou continuar assim por algum tempo…rs

  18. Aline Pires

    Caramba, mas do que nos mostrar que venceu seu medo nos deu uma lição de vida. Muitas das vezes dizemos aos nossos filhos \”Desistir jamais!\” Mas confesso que já deixei de fazer algumas coisas por medo, depois que me tornei mãe e adotei o \”Desistir jamais!\”, me tornei mais forte e confiante no intuito de criá-los para Mundo fortes e confiantes! Mas mergulhar ainda está na minha lista de coisas a fazer.

  19. christine

    Olha você arrasou superou o medo e foi, aqui no rio também tem em arraial do cabo, estou doida pra fazer, desde fevereiro ia, mas acabou que juntei um monte de viagens e não consegui agenda!!

    Agora esse batismo foi especial porque a ilha de cabras já é linda e com mergulho top!!!

  20. Raquel

    Nossa…que interessante seu post! E como as pessoas são diferentes, né. Eu sou fascinada pelo mergulho com cilindro. Sempre tive esse encanto e só aumentou depois que fiz o curso e passei a mergulhar. Que bom que conseguiu superar esse medo! Tenho minhas questões com avião e tive que fazer um tratamento para passar por isso. Essa é a vida!

  21. Dhebora

    PNL é vidaaaaa!!! Depois que fiz um módulo inteiro de PNL consegui mudar muitas coisas em mim e em meus medos, mas preciso confessar que te entendo perfeitamente em relação ao mergulho! haha… tenho a sensação de que vou sufocar, vou respirar errado, que meu pulmão vai explodir… enfim! Uma loucura de sentimentos! Parabéns pelo seu relato e por ter encarado isso!! Vou me espelhar em você!

  22. Thais e francys

    Que experiência incrível.. parabéns pela coragem… confesso que sinto muita agonia em pensar que eu nem sei nadar e quero mergulhar… kkk… aí o meu maior medo. Mas acho essa ideia top. Quem sabe um dia.

  23. Juliana Noronha

    Julia!!! Simplesmente amei o seu relato. Está de parabéns!!! Sei que é difícil superar os nossos medos, mas você agiu de forma certa.
    Sempre fui louca para mergulhar, mas o medo me acompanhava. Achava que não conseguiria respirar direito. Até que um dia arrisquei e foi uma das melhores experiências da minha vida.

  24. Milzara

    A minha experiência com mergulho foi apenas dentro de uma piscina e devo dizer que foi bem ruim. Não aguentei ficar no respirador. Dizem que no mergulho de verdade é bem mais tranquilo, porque você se distrai com os peixinhos, com os corais e acaba que nem se tem essa sensação. Um dia terei de criar coragem para saber se isso é verídico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *