Os Voos da Xoana

Bruxelas em 3 dias – o que fazer?

Bruxelas, capital da Bélgica, é uma cidade que sempre ouvi dizer que não valeria a pena conhecer, já que não tem “nada para fazer”. Realmente não tem tanta coisa assim quanto nas demais cidades européias (museus, parques etc), mas gostei muito e recomendo. Por isso, preparei um roteiro com dicas do que fazer em Bruxelas em 3 dias.

  • Grand Place: é a praça central, histórica e comercial de Bruxelas – e, geralmente, é o primeiro local a ser visitado pelos turistas (simmm). Foi eleita várias vezes a praça mais bonita da Europa. E realmente, quando você entra ali, a reação é: “UAU”. De dia a beleza é uma; ao anoitecer, parece outro lugar. A iluminação deixa as peças de ouro ainda mais reluzentes e o lugar fica ainda mais deslumbrante.
  • Manneken Pis (garoto urinando): é o principal símbolo da Bélgica. A estátua é representada por um menino fazendo xixi e tem apenas 60 centímetros de altura (sim, é bem pitica). Dizem que ninguém sabe ao certo qual seria a explicação por trás dessa imagem: para uns, trata-se da representação de uma criança urinando sobre inimigos da família; para outros, é o caso de uma criança que salvou a cidade ao urinar sobre o pavio de explosivos. Desculpem, mas eu não achei nada demais. Porém, todavia, entretanto, claro que, como uma boa turista, fui lá conferir e registrar o momento.
  • Atomium (Átomo): foi construído em 1.958 para a Expo 58 (Feira Mundial de Bruxelas), a primeira grande exposição mundial depois da Segunda Guerra. Assim como a Torre Eiffel, a intenção do monumento era ser destruído após algum tempo, mas mudaram de ideia e ele acabou virando o símbolo da cidade! Ainda bem, né? Ele possui 103 metros de altura e é possível fazer o passeio dentro dele. Cada bola é uma sala com exposições diferentes e as ligações são escadas rolantes.
  • E na frente do Atomium, encontramos um parque incrível, lindo de viver, parecia que estávamos dentro de uma pintura, daquelas lindas e especiais, com todos os tons de amarelo e pinceladas de verde e marrom. Um sonho que vivemos de verdade. Descobrimos o local por acaso: aquelas cores do outono chamaram a nossa atenção e falamos: “vamos ali ver o que tem?”. Graças a Deus tivemos essa brilhante ideia. Ficamos ali um bom tempo, contemplando essa beleza desenhada por Deus (e, claro, tirando várias fotos). Descobri nesse parque uma paixão que eu mesma não sabia ter: pelo outono!
  • Restaurantes e bares: a Bélgica é o paraíso das delícias. Entre elas, o waffle, chocolate e cerveja. Onde você encontrar uma dessas gordices, pare e experimente (quantas vezes forem possíveis… sim, o dia todo)! Nós fizemos isso: paramos de bar em bar para tomar as milhares de cervejas existentes e conhecer os milhares de bares da cidade… degustavamos um chocolate, comiamos uma waffle e assim, nesse “stress”, aproveitamos os nossos dias nessa cidade deliciosa! Claro, voltamos com alguns kilos extras, mas no Brasil a gente queima, ne?
  • Waffles: minha nossa, o que são esses doces? Você pode escolher a cobertura, fazer um mix com frutas… uma mais deliciosa que a outra. Mas para mim, a cobertura mais deliciosa de todos os tempos (e só de escrever aqui já comecei a salivar) é a de chocolate belga! Uma das 7 maravilhas do mundo, certamente. Entre os locais que experimentamos, o que mais gostamos foi de uma lojinha bem pitica que estava no nosso trajeto (nem tem nome) e da Waffle Factory.
  • Aproveite para se deliciar com o prato mais famoso da cidade: mexilhões e batata frita. Escolhemos o restaurante Chez Leon, um dos mais tradicionais da cidade. São 3 andares e está sempre lotado.
  • Um local super recomendado para quem gosta de frutos do mar é o Noordzee – Mer du NordNão é propriamente um restaurante, é como se fosse um mercado que vende peixe (e é), mas eles também servem as comidas no balcão (ostras, sopas, mariscos, croquete etc), além de oferecerem algumas mesas bistrô na frente, par comer de pé mesmo. Quando o atendente viu que éramos brasileiros, já chamou um outro garçom que fala português para nos atender. A minha pedida foi uma sopa de peixe, divida!
  • NÃO RECOMENDO: No outro dia, não tínhamos selecionado um restaurante para jantar. Preferimos andar e entrar em um que achássemos bacana. Mas… furada!  No dia anterior, passamos na porta do Le Petit Bruxelles e achamos gracioso. Enquanto andávamos pela rua dos bares e restaurantes, várias pessoas ficavam na porta tentando te convencer a entrar, com as mais diversas ofertas. E no Le Petit não foi diferente. Então resolvemos entrar nele (sem antes pesquisar a nota e comentários no Trip Advisor). Quando entramos, fomos bem atendidos e um dos garçons falava português. Mas ao pedirmos o prato, vimos que era mais um daqueles lugares “pega turista”. Preço razoável, mas comida simples demais! Cuidado! A dica é sempre pesquisar os feedbacks no TripAdvisor antes de entrar. Ainda bem que meu prato era típico – mexilhões e batata frita, então estava bom. Mas o do meu marido veio bem simples pelo valor: batata, alface e uma carne dura e ruim.
  • A Bélgica é muito famosa, entre outras delícias, por seus mil rótulos de cerveja. É verdadeiramente o paraíso cervejeiro. Em cada bar que parávamos, experimentávamos uma opção diferente! E alguns rótulos são desenvolvidos especialmente para aquele estabelecimento. A que eu mais gostei foi o chopp Morte Súbita, no bar À la Mort Subite. Bem de menina: frutada, com aquele gostinho de laranja no final. Ouvi dizer que tem uma outra com o mesmo nome, mas ruiva, sabor framboesa. Deve ser deliciosa também. Em uma das milhares de vendinhas da cidade, achei uma com o mesmo nome, mas engarrafada e com gosto similar.

img_6005

  • Delirium Café: o famoso e tradicional bar, que contém a maior carta de cervejas do mundo (fonte: Guiness Book). São mais de 3 mil rótulos, distribuídos em 3 andares, com propostas diferentes. Vale a pena dar uma passadinha em todos eles para conhecer. Além disso, ao lado do Delirium Café, tem o Delirium Monasterium, especializado em cervejas abadia e trapistas. A decoração é toda de vitrais, com desenhos de padres, lembrando uma igreja.
  • Além desses passeios, ainda há o Centro de Histórias em Quadrinhos (a Bélgica é a terra onde foram criados os Smurfs, Tim Tim e outros) e a Mini-Europa, mas optamos por não conhecer.
  • Tire um dia para fazer um bate-volta em Bruges e viver um dia dentro de um quadro.

Como chegar?

Como estávamos em Amsterdam, pegamos o trem NS International com destino a Bruxelas (saindo de Amsterdam Centrall para Bruxelles Central). O trajeto dura cerca de 3 horas e custa em torno de 25 euros por pessoa.

img_5345

Amsterdam Centraal com destino a Bruxells Central

Onde ficar?

Nos hospedamos no Meininger Hotel Brussels City Center um hostel bem moderno, que conta com quartos e banheiros individuais (a nossa escolha). O hotel é muito bom, grande, o quarto é espaçoso, banheiro bem limpo e fica relativamente perto do centro da cidade (uma caminhada de 15 minutos). Está localizado cerca de 400m da estação de metrô mais próxima e 800m das principais atrações, como a Grand Place). Fechamos as diárias sem café da manhã, já que gostamos de conhecer os locais fofos da cidade, com delícias regionais – mas em um dos dias tomamos café no hostel, já que saímos bem cedo para conhecer Bruges. E achamos que o valor valeu a pena: 8 euros por pessoa e come à vontade. 

Clique aqui e reserve o seu hotel pelo Booking.com

*Clicando no link do Booking.com pelo nosso site, você não paga nada a mais por isso, faz a sua reserva da mesma forma e ainda nos ajuda, com uma pequena comissão de indicação que recebemos do Booking. Agradecemos se puder nos ajudar .)

fullsizerender12

Como ir da estação Midi Station até o hotel?

Para não gastar com taxi, você pode pegar o tramway número 51 em direção a “Stade” e parar no “Porto de Flandre”. O trajeto levará em torno de 10 minutos e custará 2,70 euros por pessoa.

 

Próxima parada: Bruges

Mais dicas de Bruxelas você pode encontrar no blog Leve na Viagem.

Alguma dica para acrescentar? Deixe um comentário. Espero que tenha curtido essa viagem com a gente.

35 comentários sobre “Bruxelas em 3 dias – o que fazer?

  1. Daniela Milagres

    Ah, que delicia reviver minha viagem para Bruxelas na sua discrição. Fiz as mesmas coisas e tive as mesmas impressões. A única diferença é que tomei a \”Morte Súbita\” de Framboesa e não de laranja!
    Eu guardo um carinho especial pelo Atomium pq foi lá que conhecemos a neve, em 2008. E foi fantástico!
    Seu relato foi super fiel e real, adorei!!!
    Um beijo grande!

  2. Trip A Doiss

    Adoreei a parte comer comer e beber beber hehehe… engordei só de pensar e olhar pra essas delícias.. A cidade parece cenário de filme, super bacana. Parabéns pelo post, super dicas.!!
    bjssss

  3. Luciana - Casal a Bordo

    Que show esse post. Confesso que Bruxelas está de fora de um roteiro que estamos planejando fazer mas depois dessas suas dicas deliciosas, principalmente do waffles (hahaha), vamos dar um jeito de incluir. Parabéns pelo post super completo.

  4. Débora (Vamos de Mochila Br)

    Sempre tinha ouvido falar que Bruxelas não tinha nada pra fazer… rs Agora sei que tem, adorei esse seu roteiro e as fotos!

  5. Pingback: Pensando em conhecer a capital belga? Roteiro de um dia em Bruxelas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *